domingo, 31 de julio de 2016

INTHYFLESH

Origen: Portugal, Oporto
Formados: 2000
Estilo: Black
Temática: Muerte, nihilismo y oscuridad
Enlaces: Bandcampfacebook y Inthyflesh
Miembros:
  • Defunctum Guitarra
  • Njiord Batería
  • Sataere Voces
  • Tarannis Guitarra
Discografía:

  • Rehearsal Tape - 2001 Demo 2001
  • United by Blood and Sword Split 2002  
  • Onslaught Against Slavery Demo 2002  
  • Ode Nacional Demo 2002
  • Crawl Beneath Our Shadow CD 2004  
  • From the Deepest Night... Split 2006  
  • Lechery Maledictions and Grieving Adjures to the Concerns of Flesh CD 2007  
  • Derelict Austerity Demo 2011  
  • Claustrophobia CD 2011
  • A Gaze upon the Abyss EP 2012  
  • Inthyflesh / Insalubre Split 2013  
  • Inthyflesh / Sentimen Beltza Split 2013  
  • Do Sangue que Verte Veneno EP 2014  
  • Plunders from the Vault Recopilatorio 2015  
  • The Flaming Death CD 2016
CLAUSTROPHOBIA (2011) 
"Claustrophobia" supuso el tercer álbum para la banda de Satarae en sus ya dieciséis años de trayectoria y viene a ocupar un lugar destacado dentro de la escena del black metal lusa, escena que de un tiempo a esta parte viene ofreciendo de manera regular, no ya sólo nuevas entregas de bandas consagradas, sino que también la eclosión de otras nuevas que van manteniendo viva la escena. "Claustrophobia" es un álbum denso y oscuro que en buena parte del mismo podemos encontrar claras referencias la black más tradicional sobre todo en cuanto a la atmósfera ofrecida, Hablo de atmósfera porque el factor opresivo y denso está perfectamente reflejado en el álbum, el oyente se ve atrapado en un mezcla de muerte y oscuridad, que casi que me atrevería a comparar a la soledad de transitar en una fría y lluviosa noche invernal por algunas de las muchas callejuelas de la zona vieja de Oporto y que van a morir al Douro en medio de la húmeda niebla. El sonido está bastante elaborado y permite al mismo tiempo una clara orientación clásica, como también un acercamiento a las nuevas corrientes que están emergiendo en el país vecino. Ni que decir tiene que este álbum estaría incompleto sin la presencia de las torturadas voces de Sataere, que provocan y acentúan la sensación de abatimiento, soledad y podredumbre presentes en todo el álbum. Inthyflesh sin lugar a duda merece un reconocimiento destacado dentro del black portugués más actual. (8,1).



1. Da Nossa Carne 06:55
 Recatados eflúvios que se revelam
em abundante mijo.
Grave menina,
não demando a tua carne,
apenas a ascosidade e tribulação.

Tenra mas rotinada,
a lançar pulso na carne
que resvala intumescente
entre vómito e saliva.

Mordi-te em sangue,
no teu sofrimento reside
a engastada pronúncia da minha libido,
os prazeres fundeados na consanguinidade.

Logra a réstia da vida,
engulipa o orgulho e a minha foda
Fustiga-me em reverência,
demonstra o teu nervo e ímpeto.

Demudada pela recusante pertinácia,
ultrajas-me com modos de rebeldia
néscia e eloquente.

Tesouro de enlevo feroz,
avocas-me pelo instinto eversor
de provocações e dor latejante.

Oh! Requinte atroz do encante.
2. Abismo Interior 05:52
É nocivo recusar os ímpetos
de tenaz desacerto e lascívia
em imutável erupção.
Instiga a irrisão renegar
o assombro infligido
pelo agreste sentir.

É ódio ou infortúnio este ardor,
todo o clamor descomedido
em suores e tremores,
em máculas e abismos,
no desassossego bailante da dúvida.

Destarte pertences-me
num alvor de entrega total,
sem alma mas em devoção carnal!
Fustigo a veleidade de dispêndio,
quero-te cruel na minha sanidade,
golpeias-me de malícia
e revela-se efectivo
que nem chagas de sujeição

E assim integras-me
na encruzilhada de ser,
em labirintos mascarados
com cinza da flama que haurimos
concretizando a minha posse por ti.
3. Devaneios de Rejeição 04:41
Esse coração era meu despedacei-o contra o tempo. Não há nada que me possa matar de que eu já não tenha morrido. Libei a morte em todas as cores mas continuo cinzento. Consagrei o peito à fatalidade, conselheira, alcoviteira, será minha consorte. Perduram as angústias e a inquietude constante desenfreada, impulsionada pela negação do meu jazer. Envido matar de morte sofrida com arrepios de anseios descobertos ao acordar, onde as sombras surgem sem corpo, onde o lume se consome no olhar. Será que destilarei os vapores da morte, com fervor cósmico? A morte é um suspiro de elegância de rasgada prematuração. De nada servirá o precato, nem enleado recato, sobre a tua cerceada existência, rudimentar conjugação de má sorte.
4. Hasteado ao Infortúnio 10:35
Rude tristeza
que abarca o olhar
de olhos inundados,
trémulos como a chama, um círio,
farol do imprevisível
de abusos que se revelam,
de traições que se rebelam.

Içados ao sublime
pelo meneio do estéril,
de vaidade compulsiva
e enferma de si mesma.

Manifesto de um adeus solitário,
rigidez arisca,
cinismo de mil faces
que arrebata em incandescência.

Tormenta que inundas
os sentidos perdidos,
macerados numa teia de conspirações,
num rio de palavras
que desagua sem significado,
gélido e sôfrego
de um toque atento,
de um golpe de intenção.

Vidas entorpecidas de viver
são sombras em corredor estreito
da noite iluminada pela suspeita
e vil memória que definha a carne.

No silêncio, só o choro de quem desiste
e logo então sabe que a alma não existe.
O desespero tolhe a vontade
que se agita em mudo e gritante infortúnio.
5. Perdição no Vício d'Austeridade 07:05
Portas entreabertas que não revelam o juízo cínico e amasiado com a libido. Respeito, euforia, que convergência! A lubricidade afoga a alma divina. Um golpe de intenção, assaltos de impaciência, ceifaram incautos cingidos a rectidão sofrível avultada por fervores d'índole má reputada. É o cheiro denso a clausura, o moto do contra-natura que invade, liberto, todos os cantos deste recanto de amor que se nega em ciclos. A indulgência d'um novo século, um mundo sem fim tolhido na sua exiguidade. Qual berço embalado na angústia e na agitação de quem se masturba, por fim. Paredes empilhadas de memórias, um chão manchado de ilustrações e missivas nocturnas de afazeres embriagados pelo despudor. Do alto da aparência oca, e diplomacias em cadeiras de veludo como os vestidos, rasgados, transpirados de açoites e olhares agrilhoantes.
6. Enfermidade Delirante 01:38  instrumental
7. Alvoroço de Antecipação 06:45
 Desnuda-te, em régia provação,
arrazoa os crimes a serem cometidos.
Carícias que fulminam, qual cicuta,
e outras malícias latentes
como eufemismos dolorosos.

Perfídia no mais venusto trono
incitante de avidez
de disputas de ufania e exício.
Ânsia madrasta,
desfastio feroz.
Carne grácil, negácia
de volúpia e sangue
que ferve e verte
sabor férreo que se impõe
ocupa os sentidos
em deleite, num altar
de delitos

Em tu braceiro as ilusões ilustrações
do meu iníquo íntimo.
É básico o instinto,
é brioso o desejo
lamentando a sorte
de momento tão fugaz.
Impõe-se fatalidade
que se vai, depois de vir
em assombro,
arreda-se após a procela.

Brinda-nos agora com despudor,
exalta-nos o ardor além-amor.
8. Sôfrego Desencontro 05:33
  E tudo se esvanece no desencontro,
ofusco-me no brilho da tua carne polida.

Na dança das pétalas de perfume sentido
e vezeiro embora vernáculo.
Ora restrinjo-me ao abraço da saudade,
macilenta, que refreia.

E ao alcançar-te revejo-me em labirintos
visão como agulhas que invadem
em matéria do corpo.

Mas tentado pela palidez marmórea
ergo-me no cúmulo de te permear
com avidez, que me esvazia.

Entrego-me ao abismo
instigado pela ausência que a tua dor
completa e transpõe em sangue.
9. Submerso em Instantes 07:14
Artérias de ruas cegas
de uma cidade imunda
que desperta em silhuetas
numa pálida madrugada intensa
cuspida por ténues luzes.

Inundada de odores de cio
de putas vigilantes
e sedentos olhares de cobiça,
ofício de mil-artes.

Rios de vómitos sulfúreos,
o nojo comum em vala aberta
e descoberta num desatento
golpe de declínio.

Enferrujados e estranhos maneirismos
desequilibraram o efectivo
num lamaçal de bizarras conjecturas
e cinismo cimentado em cada esquina.

Desfaz-te mundo
nas minhas mãos,
esgota-te em submissão
entrega-te ao meu destino.
  56:18







Standard deluxe edition, [2 LP] 12'' vinyl edition pressed on black, 180-gram vinyl. Double 350-gram gatefold, UV gloss varnish, inside flooded in black, with 24 page booklet glued on the inside. Comes in a plastic overbag.

Artwork and layout done by the band.
With special performances by Kark /Dødsengel and Edgar Kerval /Emme Ya.

Tracklist:

SIDE A

Dealing with the Veil 
Blood Royale 
The Lifting of the Veil 
Endless Light

SIDE B

Carrying the Forbidden Flame
Spirit Eater 
Procession of the Silver Fire 
Enter the Unknown 

SIDE C

Of Tomb and Thirst 
The Luminous One 

SIDE D

The Rose and the Cross 
Piercing the Veil 

Released by Lamech Records & Terratvr Possessions

HAZTE CON ÉL EN : BLACK METAL SPIRIT STORE O DISCOGS

No hay comentarios: